abril 10, 2011

Nos canteiros de Cecília Meireles



A poetisa chorava. Chorava baixinho chamando. Chamando pelo luar que a fazia sorrir



Cantava, seu olhar mostrava-me. O vício de colher flores, framboesas, sonhos. Trilhava estradas que vieram a tornarem-se ruas



Ruas que a conduziram à hora da florada. Eis que chegava um novo dia de colher. Sonhos, flores, framboesas e expô-las nas calçadas



Tratou de aguar o que lhe enchia os olhos. Saudade, já não tentava nada, fadigada por... Pouca coisa, só felicidade e dor



Mostrava-me como seria diferente. Cada verso que criara, diferentemente. Versos que entregara inconscientemente



A mim entregava regozijo, estrofes e contentamento. Assim como Brecht, se contentava com tão pouca. Paz, alegria efêmera num sentimento de



Pode provar morangos que matavam tua fome. Canteiros de couve, cor de framboesa, novos nomes. Encerravam, com tristeza e víamos a morte de Cecília Meireles



O mato crescia com a chuva; riscávamos trilhas sob as corridas da jovem aldeã. Como ela nada era parecido, fugindo da morte, nada é parecido. Diferentes, somos parecidos com março, abril e maio



Antes, carnaval; no outono tudo é labor. Acabou a festa da carne, somos três meses. E a saudade recomeçou



De olhos fechados a felicidade chorava. Entre os dedos compridos, lágrimas corriam. Linhas pautadas preenchidas pela letra cursiva



Afetadas, tortas, sentimentos tortos, novas idas. Vida, amanhã, negra noite, deixa-me ver a sua letra. Como ontem de madrugada. Mais bela sua colheita de framboesas era









*A Cecília Meireles: 07/11/1901 — 09/11/1964

abril 03, 2011

No espelho, eu comigo mesma



Hoje, pela manhã


Deparei-me com um gigante


Diante do espelho


Enorme criatura amorfa



Que atendia pelos nomes


Egoísmo


Vaidade e


Soberba



Antes que eu pudesse


Dele me afastar


Fui fulminada


Fulminada pelo seu olhar



Então...


... Estática


Fui esmagada


Por sua grande e pesada mão

abril 02, 2011